seja bem vindo ao portal folha de piraju

Circulação: Cidades e Regiões das Comarcas de Piraju, Santa Cruz do Rio Pardo, Ipaussu e Avaré

Endereço: Rua Carlos de Campos 177 - Piraju/SP - CEP 18800-000

notícias

Voltar

Planeta Vivo e ACLU alertam sobre atravessadores e têm novo horário de coleta a partir do dia 16

Postado à, 21 dias atrás | 5 minutos de leitura

Planeta Vivo e ACLU alertam sobre atravessadores e têm novo horário de coleta a partir do dia 16
Desde o dia 16 de novembro a Planeta Vivo e ACLU estão recolhendo os lixos reciclados em novo horário nas manhãs de cada dia, de segunda a sexta.
Ou seja, os lixos  reciclados que eram coletados no finam da tarde serão recolhidos pela manhã do mesmo dia em todos os bairros da cidade. 
Se o seu lixo reciclado era recolhido na segunda a tarde, ele passará a ser recolhido na mesma segunda-feira pela manhã e assim por diante durante a semana até sexta.
 
 
Atravessadores atrapalham e confundem a logistíca da coleta seletiva oficial que é coordenada pelas associações
em parceria e convênio formal com a prefeitura
 
Luiz Fernando Correia e Sônia Maria dos Santos da Associação Planeta Vivo de Reciclagem fazem um alerta à população em geral sobre os atravessadores que estão causando problemas relacionados à coleta seletiva. Eles perceberam o problema porque em alguns pontos da cidade pessoas passaram a reclamar de que não recebiam o saco vermelho.
Segundo Luiz Fernando a embalagem vermelha é deixada nas residências em que o reciclado é recolhido. "Há um entendimento de que onde há saco de reciclados a pessoa precisa de nova embalagem, onde não há ainda não encheu o saco anterior e assim a equipe de coleta não deixa outro saco".
Se a pessoa deixar um saco de reciclado recebe um, se deixar dois recebe dois e assim por diante. Uma combinação informal, mas que funciona porque são anos de conscientização da população.
"Os catadores informais que não fazem parte do trabalho de benefício coletivo  das associações (que têm contrato com a prefeitura) usam um sistema que compromete o andamento da coleta das entidades, porque passam pouco antes do caminhão oficial, e vão pegando as embalagens vermelhas, confundindo e atrapalhando as equipes dos caminhões que acabam não deixando uma embalagem nova nas residências onde o lixo já foi recolhido pelos atravessadores".
Isso está causando confusão e atrapalhando a reciclagem exemplar e de tantos anos que é realizada no município de Piraju de forma organizada.
Como não há uma lei que proiba os atravessadores de lixo reciclado de atuarem dessa forma, muitos moradores acabam ficando sem os sacos de lixo vermelho  e  até desistem de separar reciclados e começam a colocar esse tipo de material no lixo orgânico, o que é nocivo para toda a comunidade e afeta diretamente o meio ambiente.
Há informações de que nos bairros da Codespaulo, Jd. Cristal, Nova América e NossoTeto  existem atravessadores que estão fazendo a coleta e a triagem em suas residências, o que é um problema para a vigilância sanitária.
"Fica um alerta para a prefeitura, vereadores e outros setores que controlam essas atividades, como a Vigilância e a Fiscalização que tomem providências para que não se criem locais clandestinos de reciclagem" diz Luiz Fernando.
 
Sônia faz um apelo aos moradores que também ajudem a evitar esse tipo de situação para não comprometer o trabalho das associações que estão ativas e colaboram de maneira organizada com o meio ambiente na estância de Piraju.
Outra questão que está acontecendo que os atravessadores esvaziam os sacos vermelhos e jogam  os sacos sujos nas casas de onde pegaram os reciclados. Isso aconteceu com um leitor da Folha que nos relatou o fato, confirmando o que dizem as associações.
 
 
História
Para Sônia que foi a fundadora da primeira associação de reciclagem de Piraju, e pioneira na cidade e região nessa área,  essa situação precisa ser revista com urgência pelas autoridades, porque vai minando um trabalho de décadas das nossas associações".
Ela relata que começou seu trabalho no final da década de 70 no aterro de Piraju. Posteriormente conheceu Matilde do aterro de Ourinhos e juntas elas se apoiaram e nasceu em a ACLU em 2001 e em Ourinhos  anos depois a Recicla Ourinhos